As complexas imbricações entre patentes de fármacos e doenças negligenciadas: limites e possibilidades na perspectva da saúde global

The complex interactions between drug patents and neglected diseases: limits and possibilities in the global health perspective

  • Isabel Christine Silva De Gregori Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Larissa Melez Ruviaro Universidade Federal de Santa Maria
  • Nathália Facco Rocha Universidade Federal de Santa Maria
Palabras clave: Enfermedades desatendidas, Industrias farmacéuticas, Patentes, Propiedad intelectual, Salud global, Doenças negligenciadas, Indústrias Farmacêuticas, Propriedade Intelectual, Saúde Global, Neglected diseases, Pharmaceutical industries, Patents, Intellectual property, Global health

Resumen

Podría decirse que la ciencia y la tecnología han demostrado ser grandes aliados para mantener la salud, a través de la producción de medicamentos y vacunas para garantizar la ausencia de enfermedades. Por lo tanto, es necesario investigar las posibles implicaciones entre el actual sistema internacional de patentes y el crecimiento exponencial de las enfermedades olvidadas, en vista de las perspectivas de la salud mundial. Para cumplir el objetivo propuesto, se utilizaron la teoría de la teoría sistémica y el método de enfoque deductivo. Este artículo ha sido estructurado en dos capítulos. El primero abordará los instrumentos contextuales de la salud global y la imbricación de enfermedades olvidadas. El segundo tratará con el sistema de patentes como un potencial para las enfermedades de negligencia. Sin embargo, se concluye que muchas enfermedades están más allá del interés de las industrias, ya que no representan una perspectiva lucrativa.

 

Indiscutivelmente, a ciência e a tecnologia têm se mostrado grandes aliadas da manutenção da saúde, isso por meio da produção de medicamentos e vacinas a fim de garantir a ausência de doenças. Para tanto, cumpre investigar as possíveis imbricações entre o atual sistema internacional de patentes e o crescimento exponencial das doenças negligenciadas, diante das perspectivas da saúde global. Visando cumprir o objetivo proposto utilizou-se a Teoria de Base Sistêmica e o método de abordagem dedutivo. Estruturou-se o presente artigo em dois capítulos. O primeiro abordará os instrumentos contextuais de saúde global e a imbricação das doenças negligencias. O segundo versará sobre o sistema de patentes como um potencializador das doenças negligencias. Contudo, conclui-se que muitas doenças estão à margem do  interesse das indústrias, pois não representam uma perspectiva lucrativa.

 

Arguably, science and technology have proven to be great allies of maintaining health, through the production of medicines and vaccines to ensure the absence of disease. Therefore, it is necessary to investigate the possible implications between the current international patent system and the exponential growth of neglected diseases, in view of the perspectives of global health. In order to fulfill the proposed objective, the Systemic Theory Theory and the deductive approach method were used. This article has been structured into two chapters. The first will address the contextual instruments of global health and the imbrication of neglected diseases. The second will deal with the patent system as a potential for neglect diseases. However, it is concluded that many diseases are beyond the interest of industries as they do not represent a lucrative prospect.

Citas

• BAIALARDI, Katia Salomão(2007): O estigma da hanseníase: relato de uma experiência em grupo com pessoas portadoras. Hansenologia Internationalis, Bauru, v.32, n.1. Tomado de: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982- 51612007000100004&lng=pt&nrm=iso=pt, Fecha de consulta: 03.02.2019.

• BARBIERI, Carolina Luisa Alves; MARQUES, Heloísa Helena de Sousa (2009): Hanseníase em crianças e adolescentes: revisão bibliográfica e situação atual no Brasil. Pediatria, São Paulo, v.31, n.4, pp. 281-290. Tomado de: http://www.pediatriasaopaulo.usp.br/upload/pdf/1319.pdf, Fecha de acesso: 03.02.2019.

• BARBOSA, D. B (2010): Uma introdução à propriedade intelectual. Lumen Juris, pp.1-951. Tomado de: http://www.denisbarbosa.addr.com/arquivos/livros/umaintro2.pdf, Fecha de consulta: 20.09. 2019.

• BARRETO, A. C. C (2011): A Flexibilização do Acordo TRIPS e a Necessidade de Respeito aos Direitos Humanos nas Regras da OMC. 136f. 2011. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, pp.16.

• BARRETO, Ana Cristina Costa (2010): O Direito à saúde e patentes farmacêuticas: o acesso a medicamentos como preocupação global para o desenvolvimento. São Paulo: Revista Aurora. Tomado de: < http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/aurora/article/view/1240>, Fecha de consulta: 20.06. 2019.

• BRASIL (2014): Ministério da Saúde. Agência fiocruz de notícias: doenças negligenciadas. Tomado de: http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7as-negligenciadas, Fecha de consulta: 06.09.2019.

• BROWN, Theodore; CUETO, Marcos; FEE, Elizabeth (2006). A transição de saúde pública 'internacional' para 'global' e a Organização Mundial da Saúde. In: Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, pp. 623-647, Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702006000300005&lng=en&nrm=iso, Fecha de consulta: 19.03. 2018.

• BULHÕES, E. P (2008): O papel das redes transnacionais de ONGs no contencioso das patentes farmacêuticas entre Brasil e Estados Unidos. 244f. 2008. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Porto Alegre: UFRS, pp. 125.

• CHAVES, Gabriela Costa et al (2007): A evolução do sistema internacional de propriedade intelectual: proteção patentária para o setor farmacêutico e acesso a medicamentos. In: Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 2, n. 23, pp. 257-267. Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007000200002. Fecha de consulta: 17.02. 2018.

• CHIRAC, P.; TORREELE, E (2006): Global framework on essential health R&D. The Lancet, Volume 367, Issue 9522, pp.1560.

• COOPER, Andrew; KIRTON, John; STEVENSON, Michael (2009): Critical cases in global health innovation. In: COOPER, Andrew; KIRTON, John (Org.). Innovation in global health governance: critical cases. Farnham: Ashgate.

• CORREA, Carlos (2005): O Acordo TRIPS e o acesso a medicamentos nos países em desenvolvimento. In: Sur, Rev. int. direitos human, São Paulo, v. 2, n. 3. Tomado de: http://ref.scielo.org/f838wh. Fecha de consulta: 01.02. 2018.

• DRUGS FOR NEGLECTED DISEASES INITIATIVE (2013): Annual report 2013: a decade of r&d for neglected patients. Tomado de: <http://www.dndi.org/images/stories/annual_report/2013/DNDi_AR_2013.pdf>, Fecha de consulta: 28.09.2019.

• FORATTINI, Oswaldo Paulo (2000): A saúde pública no século XX. In: Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 3, jun. 2000. Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102000000300001. Fecha de consulta consulta: 16.06. 2018.

• FRANÇA, Tanos C.C.; SANTOS, Marta G. dos; VILLAR, José de Figueiroa (2008):.Malária: Aspectos e Quimioterapia. Química Nova, São Paulo, v.31, n.5, 2008. Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-40422008000500060&script=sci_arttext, Fecha de consulta: 03.10.2019.

• MÉDICOS SEM FRONTEIRAS (2012): O assunto é doenças negligenciadas. Tomado de: https://www.msf.org.br/noticias/o-assunto-e-doencas-negligenciadas. Fecha de consulta: 07.02. 2019. s/p.

• MEINERS, Constance Marie Milward de Azevedo (2008). Patentes farmacêuticas e saúde pública: desafios à política brasileira de acesso ao tratamento anti-retroviral. In: Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, pp.1467-1478. Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2008000700002&script=sci_abstract&tlng=pt, Fecha de consulta: 07.02.2019.

• NUNES, João; VENTURA, Deisy. Apresentação (2016): . In: Lua Nova, São Paulo, n. 98, pp. 7-16, maio./ago. 2016. Tomado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452016000200007&lng=en&nrm=iso, Fecha de consulta: 11.09.2018.

• OMS. Organização Mundial da Saúde (2010): Primeiro relatório da OMS sobre as doenças tropicais negligenciadas, pp.41.

• PIOVESAN, F (2007). Direitos humanos e propriedade intelectual. Cultura livre, pp. 20.

• POGGE, Thomas (2008): Medicamentos para o mundo: incentivando a inovação sem obstruir o acesso livre. In: Revista SUR, São Paulo, v. 5, n 8. Tomado de: http://www.surjournal.org/conteudos/pdf/8/pogge.pdf, Fecha de consulta: 11.04. 2019.

• RÊGO, Elba Cristina Lima (2001): Acordo sobre propriedade intelectual da OMC: implicações para a saúde pública nos países em desenvolvimento. In: Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 8, n. 16, pp. 43-78. Tomado de: https://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/revista/rev1602.pdf, Fecha de consulta: 18.10.2018.

• RIBEIRO. Helena (2016): Saúde Global: Olhares do presente, Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz.

• SCHWARTZ, Germano André Doederlein (2001). Direito à saúde: efetivação em uma perspectiva sistêmica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, pp.40.

• TRESSE Vitor Schettino (2015): Doenças negligenciadas e patentes de fármacos: uma análise da garantia ao direito à saúde através do novo paradigma colaborativo. (Dissertação de mestrado), Rio de Janeiro, pp.1-112. Tomado de: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=9203, Fecha de consulta: 20.09.2019.

• VARELLA, Marcelo Dias; MARINHO, Maria. E. P. A (2005): propriedade intelectual na OMC. Revista do Programa de Mestrado em Direito do UniCEUB, Brasília, v. 2, n. 2, pp.136-153. Tomado de: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/22168-22169-1-PB.pdf. Fecha de consulta: 05.07. 2018. pp.142.

• WIPO (2018): A Brief History. Tomado de: http://www.wipo.int/about-wipo/en/history.html, Fecha de consulta: 15.02. 2018.

Publicado
2020-05-30
Cómo citar
Silva De Gregori, I. C., Melez Ruviaro, L., & Facco Rocha, N. (2020). As complexas imbricações entre patentes de fármacos e doenças negligenciadas: limites e possibilidades na perspectva da saúde global. Revista Derecho Y Salud, (4), 136-147. https://doi.org/10.37767/2591-3476(2020)12
Sección
Estudios Especiales