O direito ao acesso à saúde reprodutiva de mulheres migrantes: desvelando processos de precarização da vida / The right to reproductive health for migrant women: disclosing life precariousness processes

  • Joice Graciele Nielsson Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)
  • Janaína Machado Sturza Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)
  • Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)
Palabras clave: Biopolítica, Direitos reprodutivos, Migração, Mulher, Saúde, Biopolitics, Reproductive rights, Migration, Woman, Health, Migración, Derechos reproductivos, Mujer, Salud

Resumen

O presente trabalho analisa as possíveis interações entre direitos humanos e os direitos humanos das mulheres, questionando acerca da proteção das mulheres migrantes e a precarização de suas vidas a partir do acesso aos direitos reprodutivos, sob a perspectiva crítica biopolítica. Parte da hipótese de que a intercessão entre migração e desigualdades de gênero produz formas distintas e mais intensas de violência, vulnerabilidade que impactam no acesso a direitos e à saúde reprodutiva das mulheres migrantes, produzindo a descartabilidade de tais vidas. A partir de um estudo bibliográfico, que segue o método hipotético dedutivo, conclui-se pela urgência do desvelamento deste processo progressivo de precarização permanente que recai especialmente sobre as vidas femininas, a partir do controle de seus corpos e de sua capacidade reprodutiva intensificada em meio aos deslocamentos migratórios.

 

This paper analyzes the possible interactions between human rights and women's human rights, questioning about the protection of migrant women and the precariousness of their lives from access to reproductive health, from a critical biopolitical perspective. It starts from the hypothesis that the intercession between migration and gender inequalities produces distinct and more intense forms of violence, vulnerability that impact the access to rights and reproductive health of migrant women, producing the disposability of such lives. From a bibliographical study, through the hypothetical deductive method, it is concluded the urgency of the unveiling of this progressive process of permanent precarization that falls especially on the female lives, from the control of their bodies and their intensified reproductive capacity among the migratory displacements.

 

Este artículo analiza las posibles interacciones entre los derechos humanos y los derechos humanos de las mujeres, cuestionando la protección de las mujeres migrantes y la precariedad de sus vidas a través del acceso a la salud reproductiva, desde una perspectiva biopolítica crítica. Se parte de la hipótesis de que la intercesión entre la migración y las desigualdades de género produce formas distintas y más intensas de violencia, vulnerabilidad que impacta el acceso a los derechos y la salud reproductiva de las mujeres migrantes, produciendo la disposición de esas vidas. A partir de un estudio bibliográfico, a través del hipotético método deductivo, se concluye la urgencia de la revelación de este proceso progresivo de precarización permanente que recae especialmente en las vidas femeninas, desde el control de sus cuerpos y su capacidad reproductiva intensificada entre los desplazamientos migratorios.

Citas

• Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/acnur-no-brasil/. Acesso em: 20 set. 2019

• ANGELIN, Paulo Eduardo (2012): Mulheres migrantes no contexto das fronteiras de gênero e arranjos familiares. 256 f. Tese. (Doutorado) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos.

• BITTENCOURT, Naiara Andreoli (2015): Biopolítica sobre a vida das mulheres e o controle jurídico brasileiro. In: Revista Direito e Gênero, nº 03.

• COGO, Denise (2017): Comunicação, migrações e gênero: famílias transnacionais, ativismos e uso de TICs. Intercom. Rev. Bras. Ciênc. Comun. vol.40 no.1 São Paulo Jan./Apr. http://dx.doi.org/10.1590/1809-58442017110. Acesso em: 25 set. 2019.

• DIAS, SF, ROCHA, CF, HORTA, R. (2009): Saúde sexual e reprodutiva de mulheres imigrantes africanas e brasileiras: um estudo qualitativo. Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI): Lisboa.

• ESPOSITO, Roberto (2006): Biopolítica y filosofía. Grama Ediciones: Buenos Aires.

• MARTIN, Denise, GOLDBERG, Alejandro e SILVEIRA, Cássio (2018): Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saúde e Sociedade. v. 27, n. 1 Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170870. Acesso em: 31 ago. 2019.

• MENÉNDEZ, E. L. (2016): Salud intercultural: propuestas, acciones y fracasos. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 109-118.

• NIELSSON, Joice Graciele (2018): O controle reprodutivo e a inscrição biopolítica sobre o corpo feminino: os contornos do Estado de exceção no Brasil contemporâneo. In: Gênero, sexualidade e direito III. Organização CONPEDI/ UNISINOS. Coordenadores: Carmen Hein de Campos; Renato Duro Dias. CONPEDI: Florianópolis.

• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. ONU alerta para barreiras no acesso à saúde entre mulheres migrantes nas Américas. Disponível em: https://nacoesunidas.org/onu-alerta-para-barreiras-no-acesso-a-saude-entre-mulheres-migrantes-nas-americas/. Acesso em: 25 set. 2019.

• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (1994): Relatório da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. Plataforma de Cairo. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/relatorio-cairo.pdf. Acesso em: 21 abr 2019.

• RICCI, Carla (2018): Novos caminhos de uma velha diáspora: seguindo os rastros da experiencia migratória das mulheres haitianas em Porto Alegre. Dissertação de Mestrado apresentada junto ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

• SCHWINN, Simone Andrea; COSTA da, Marli Marlene Moraes. Mulheres Refugiadas e Vulnerabilidade: a Dimensão da violência de gênero em situações de refúgio e as estratégias do ACNUR no combate a essa violência. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/1100. Acesso em: 25 ago 2019.

• SERPA, Paola Flores, FÉLIX, Ynes da Silva (2018): Refugiadas no brasil. Revista Argumentum – RA, Marília/SP, V. 19, N. 2, pp. 397-412, Mai.-Ago. p. 405.

• SILVA, César Augusto S. da (2016): A política migratória brasileira para refugiados (1998-2014). Íthala: Curitiba.

• UFNPE - United Nations Population Fund (2006): A situação da população mundial 2005: a promessa de igualdade: equidade em matéria de género, saúde reprodutiva e objectivos de desenvolvimento do milênio. UNFPA: Nova Yorque.

• VENTURA, Deisy (2017): “Regulamento da lei da migração é uma catástrofe”: diz especialista Deisy de Freitas Lima Ventura. CONJUR. Disponível em: <http://www.ufjf. br/ladem/2017/11/24/regulamento-da-lei-da-migracao-e-uma-catastrofe-dizespecialista-deisy-de-freitas-lima-ventura/>. Acesso em: 24 jan. 2019.

• WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. NIELSSON, Joice Graciele (2016): Direitos Humanos e Políticas Migratórias na Contemporaneidade. Barbarói, Santa Cruz do Sul, Edição Especial n.47, p.<59-77>, jan./jun.

Publicado
2019-10-31
Cómo citar
Nielsson, J. G., Machado Sturza, J., & Dezordi Wermuth, M. Ângelo. (2019). O direito ao acesso à saúde reprodutiva de mulheres migrantes: desvelando processos de precarização da vida / The right to reproductive health for migrant women: disclosing life precariousness processes. Revista Derecho Y Salud | Universidad Blas Pascal, (3), 109-119. Recuperado a partir de https://revistas.ubp.edu.ar/index.php/rdys/article/view/62
Sección
Estudios Especiales