O direito ao acesso à saúde reprodutiva de mulheres migrantes: desvelando processos de precarização da vida

Autores/as

  • Joice Graciele Nielsson Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)
  • Janaína Machado Sturza Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)
  • Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ)

DOI:

https://doi.org/10.37767/2591-3476(2019)08

Palabras clave:

Biopolítica, Direitos reprodutivos, Migração, Mulher, Saúde, Biopolitics, Reproductive rights, Migration, Woman, Health, Migración, Derechos reproductivos, Mujer, Salud

Resumen

O presente trabalho analisa as possíveis interações entre direitos humanos e os direitos humanos das mulheres, questionando acerca da proteção das mulheres migrantes e a precarização de suas vidas a partir do acesso aos direitos reprodutivos, sob a perspectiva crítica biopolítica. Parte da hipótese de que a intercessão entre migração e desigualdades de gênero produz formas distintas e mais intensas de violência, vulnerabilidade que impactam no acesso a direitos e à saúde reprodutiva das mulheres migrantes, produzindo a descartabilidade de tais vidas. A partir de um estudo bibliográfico, que segue o método hipotético dedutivo, conclui-se pela urgência do desvelamento deste processo progressivo de precarização permanente que recai especialmente sobre as vidas femininas, a partir do controle de seus corpos e de sua capacidade reprodutiva intensificada em meio aos deslocamentos migratórios.

Referencias

• Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/acnur-no-brasil/. Acesso em: 20 set. 2019

• ANGELIN, Paulo Eduardo (2012): Mulheres migrantes no contexto das fronteiras de gênero e arranjos familiares. 256 f. Tese. (Doutorado) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos.

• BITTENCOURT, Naiara Andreoli (2015): Biopolítica sobre a vida das mulheres e o controle jurídico brasileiro. In: Revista Direito e Gênero, nº 03.

• COGO, Denise (2017): Comunicação, migrações e gênero: famílias transnacionais, ativismos e uso de TICs. Intercom. Rev. Bras. Ciênc. Comun. vol.40 no.1 São Paulo Jan./Apr. http://dx.doi.org/10.1590/1809-58442017110. Acesso em: 25 set. 2019.

• DIAS, SF, ROCHA, CF, HORTA, R. (2009): Saúde sexual e reprodutiva de mulheres imigrantes africanas e brasileiras: um estudo qualitativo. Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI): Lisboa.

• ESPOSITO, Roberto (2006): Biopolítica y filosofía. Grama Ediciones: Buenos Aires.

• MARTIN, Denise, GOLDBERG, Alejandro e SILVEIRA, Cássio (2018): Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saúde e Sociedade. v. 27, n. 1 Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170870. Acesso em: 31 ago. 2019.

• MENÉNDEZ, E. L. (2016): Salud intercultural: propuestas, acciones y fracasos. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 109-118.

• NIELSSON, Joice Graciele (2018): O controle reprodutivo e a inscrição biopolítica sobre o corpo feminino: os contornos do Estado de exceção no Brasil contemporâneo. In: Gênero, sexualidade e direito III. Organização CONPEDI/ UNISINOS. Coordenadores: Carmen Hein de Campos; Renato Duro Dias. CONPEDI: Florianópolis.

• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. ONU alerta para barreiras no acesso à saúde entre mulheres migrantes nas Américas. Disponível em: https://nacoesunidas.org/onu-alerta-para-barreiras-no-acesso-a-saude-entre-mulheres-migrantes-nas-americas/. Acesso em: 25 set. 2019.

• ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (1994): Relatório da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. Plataforma de Cairo. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/relatorio-cairo.pdf. Acesso em: 21 abr 2019.

• RICCI, Carla (2018): Novos caminhos de uma velha diáspora: seguindo os rastros da experiencia migratória das mulheres haitianas em Porto Alegre. Dissertação de Mestrado apresentada junto ao Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

• SCHWINN, Simone Andrea; COSTA da, Marli Marlene Moraes. Mulheres Refugiadas e Vulnerabilidade: a Dimensão da violência de gênero em situações de refúgio e as estratégias do ACNUR no combate a essa violência. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/1100. Acesso em: 25 ago 2019.

• SERPA, Paola Flores, FÉLIX, Ynes da Silva (2018): Refugiadas no brasil. Revista Argumentum – RA, Marília/SP, V. 19, N. 2, pp. 397-412, Mai.-Ago. p. 405.

• SILVA, César Augusto S. da (2016): A política migratória brasileira para refugiados (1998-2014). Íthala: Curitiba.

• UFNPE - United Nations Population Fund (2006): A situação da população mundial 2005: a promessa de igualdade: equidade em matéria de género, saúde reprodutiva e objectivos de desenvolvimento do milênio. UNFPA: Nova Yorque.

• VENTURA, Deisy (2017): “Regulamento da lei da migração é uma catástrofe”: diz especialista Deisy de Freitas Lima Ventura. CONJUR. Disponível em: <http://www.ufjf. br/ladem/2017/11/24/regulamento-da-lei-da-migracao-e-uma-catastrofe-dizespecialista-deisy-de-freitas-lima-ventura/>. Acesso em: 24 jan. 2019.

• WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. NIELSSON, Joice Graciele (2016): Direitos Humanos e Políticas Migratórias na Contemporaneidade. Barbarói, Santa Cruz do Sul, Edição Especial n.47, p.<59-77>, jan./jun.

Descargas

Publicado

31.10.2019

Cómo citar

O direito ao acesso à saúde reprodutiva de mulheres migrantes: desvelando processos de precarização da vida. (2019). Revista Derecho Y Salud, 3(3), 109-119. https://doi.org/10.37767/2591-3476(2019)08

Artículos similares

1-10 de 156

También puede Iniciar una búsqueda de similitud avanzada para este artículo.